Entender

dia

Tiro as roupas do meu ser,
Resistindo aos desafios,

Não sei se sinto o que penso,
Não sei se penso o que sinto,

As farfalhas que enobrecem,
São as lascas da crueldade,

Os tingimentos que destacam,
Atacam também sem alardes,

Puras e limpas,
Resistem aos mesclados,
Continuam na sua fuste,
E ilustre personalidade,

Ataques sensíveis,
Sensibilizam,
Nas castas e mansas,
Mensagens,

Entenda o que está,
Na ilustre e vasta,
Conta da crueldade,

Sim, porque entender,
No deserto que se estende,
Fração por fração,
Que se rala e rola,

O filme que passa,
Projeta nos ralados,
Dos concretos,

Assistimos a cada passo,
Na verdadeira e ingenua,
Ansia do amadurecimento,

O concreto que se rala,
Ao entrar no ralador,
Emite nas migalhas,
Desgastadas de tanta dor…

Mili

Na Pauta Da Observação

Na Pauta Da Observação

Na Pauta Da Observação


Passar as horas, desmistificando aquele entulho jogado dentro da cabeça, que está somente acumulando poeira e agregando compactados e inúteis espaçosos, na atual conjuntura …

Fazer versos só para camuflar muitas verdades e que a melhor saída desta estranha significância do que é ser, chegará em alguma mão, capaz de decifrar as cognitudes deste saber…

Não ultrapassar as barreiras da intuição, pois, diariamente recolher todo e qualquer propósito lançado, sem que a sua utilidade seja comprovada nas demais vivências…

Ouvir os absurdos lançados, através das redes manipuladoras, que espalham toda a letargia inflada em conceitos absurdamente onerosos e porque não dizer , poderosos, para que não acordem para o melhor raciocínio e a consequente, melhor visão do que à todos cerca …

Muitas águas rolam neste universo…

O Contínuo questionar faz parte de cada lição que se apresenta…

E assim, a cada barreira que se manifesta nesta festa tão badalada que é a vida, conjugar o verbo possibilitar, o qual abre as novas comportas e perspectivas da progressão de cada entender…

Não faça como o tolo que se anula e abaixa a cabeça sem nada entender…

Questione… Argumente … Não se conforme … Desvende os mistérios… Acredite no possível…

Mili

Mais Histórias Que Vamos Contar >>>>> 2 0 1 5 <<<<<

Mais Historias

Selecionar tudo que fica bem guardado em cada espaço que conheço como meu entender, é de tamanha amplitude para os próximos passos e principalmente, para este ano que vai começar.

Não me conheço tão bem, como desejaria, e se assim o fosse, teria dado mil reviravoltas em minhas atitudes que sempre direcionaram para o caminho que logicamente foi “ensinado desde sempre”…

Digo “ensinado desde sempre”, porque o obedecer e não muito poder questionar, foi a educação da minha geração, em meio à tantos irmãos mais jovens, mais velhos e dentre os quais, cada um pertencia a uma seleção de padrão e obedecê-los ou não, fazia parte da educação.

Ser a ovelha negra ou branca era a cotação e o termômetro de cada arriscar, sem perguntas ou não, para ver se dava certo cada investida da melhor atitude à tomar.

O acontecer das oportunidades e as tantas certezas através das espessas nuvens que ora carregaram os ímpetos desta tão inquietante, barulhenta e por vezes harmoniosa orquestra que carrego, dentro deste peito folgoso e cheio de sonhos ainda tão ardentes e não concluídos.

Mas, vamos que vamos, afinal, sem perder a pose que enobrece, o calor do fogo de viver na intensidade, senão, a temperatura à tudo esfria e mal nos aquece, como também àqueles que nos querem bem de verdade.

O nosso livro de tantas e tantas histórias continua, com suas páginas fresquinhas e prontas para serem escritas e trazer mil acontecimentos, sabedorias e quem sabe, muitas instruções, num melhor viver.

Acredito nesta força de poder, em melhor entender as tantas fases que possivelmente ainda passarei e movê-las, removê-las ou acumulá-las, tudo dependerá da disposição e ação que eu mesma tomar, sempre é claro, contando com a ajuda das forças extras, que sempre estão por aí, neste embalo de conclusões.

Sempre em frente é a marca, a melhor que já experimentei em tantos passos, deste delicado caminhar…

Mili

No Final Das Contas >>>># >>>>

No Final  Contas
São tantas as questões trabalhadas no meu entendimento, que se fizer uma análise mais sensata, desde os meus princípios, que entendo ser a minha medida de conduta e a isto estão inclusos os costumes, com tanta raiz entrelaçada,calcada e personificada, para que certas atitudes tenham a marca registrada do que eu sou.

Sair deste emaranhado de base, nas cicatrizes, que com o passar do tempo, tornam-se ainda mais profundas e arraigadas com novas tendências que se entrelaçam em épocas distantes e constantes, na perpetuação desta espécie que se diz humana que estou.

Não sei não, mas algo, abre os meus olhos, nesta absurda sensação de existir, que se projeta à todo instante, um será que sou ou será que vou, nesta tão aguardada ambivalência de sentidos opostos.

Salvar cada negociação que faço e estabeleço com o outro, tornou-se o grande trunfo da geração à qual pertenço.

Manifestar a concordância ou não, estabelece a maleabilidade da postura deste ser, que se fizer uma comparação, pertenço mais à classe dos bambus do que a qualquer outro ser existente…

Provo à todo instante, doces e eternos momentos, em contrapartida, estabeleço versões atiradas, desta ansiedade de vida, que desabrocha e recria, de acordo com o entendimento do presente, que manipula tanto a evolução quanto a maturação, desta espécie que sou…
As repetidas inclusões e estímulos gerados na frequência de cada instante presente, são saboreadas e analisadas, estando à prova de percepções instauradas na minha maneira de ser…

Mili

O Teu Sorriso

Traços leves e,
Atitudes de honra,
Honram o instante,
Que recebi o teu sorriso…

@@@

Com total altivez,
E, ao mesmo tempo,
Desprendimento,
Percebi o semblante sereno,
Leve e descompromissado,
Que saudou o meu dia!!!

@@@

Fiquei outro dia,
No aguardo deste mesmo sorriso,
Que causou ainda mais lirismo,
À tão aguardada presença!!!

@@@

Ah! Neste sorriso eu me acabo,
Expressão tão bem acertada,
Por Deus,
Que conseguiu reunir tantos ímpetos,
Na graça imperiosa de Ser!!!

@@@

A beleza que atinge os meus lábios,
Já consta dos autos do meu bem viver,
O teu sorriso já transformou,
Somou alegrias e muito mais amor!!!

@@@

Não tem mais jeito,
Na irradiação que projetou,
Maior luz e mais ação,
Desta passageira que segue,
Acredita e se encontra,
No teu sorriso …

Mili

Elos

 

Todos Em Casa

Alegria maior não existe,

Quando o assunto é o estar,

Encontrando neste embalo,

Alegria e aconchego,

Felicidade e mais amor!!!

@@@@

Na presença destes elos,

Que me fazem mais feliz,

Completam nesta  estadia,

Mais serena,

Doce  e descomplicada,

Só assim já vale à pena!!!

@@@@

Eu jamais seria integrada,

Nesta parte tão difícil,

Em viver nestas paragens,

Sem os elos que só fazem,

Diferença aos aprendizes!!!

@@@@

Dão vida e provocam,

Sabedoria no entusiasmo,

Alegria nas adversidades,

Mais amor e compreensão,

Em qualquer plano de ação!!!!!!!!!!!

@@@@

É desta forma que entendo,

Dos minutos tão preciosos,

Como a mana Maria Teresa,

Inteligente e sempre pronta,

À exaltar…

“Este  é um momento de felicidade,

A felicidade não existe,

E sim,  estes momentos preciosos,

Que estamos em compartilhar…”

@@@@

Mili

 

 

 

 

Mãe 9.5

Mãe 9.5

Mãe 9.5

No dia dezenove de novembro, data da comemoração do aniversário da minha mãe, fiquei a refletir sobre o significado em repassar de tempos em tempos, a idade que chega, trazendo tanta desenvoltura , leveza, singeleza e a maior nitidez da fragilidade que ocupa, com traços tão sublimes e perfeitamente assentados da cabeça aos pés.

Liguei para dizer parabéns, visto que moro em outra cidade, mas ela já foi se deitar, repousar cedo e eu não consegui dizer os “Parabéns Mãe”, então, só tenho à esperar por mais um amanhã…

A certeza de que estará lá, sempre aguardando a chegada de cada filho é meu escudo de evitar a pensar algo ao contrário…

Coisas de filha apaixonada pela mãe que tem, independentemente das circunstâncias de resgates,entendimentos, vivências e coisas que somente eu e meus onze irmãos sabemos…

Hoje ainda, um pouquinho só mais madura, não sei se dei a conta do que é ter uma Mãe 9.5, pois ainda desabrocha em seus questionamentos de mãe, tantas formas ainda de menina, mulher que por vezes quer uns ajustes em seu corpito, sensualidade de mulher no seu cheiro e perfume tão encantador e o mais profundo de todos, a leitura do seu olhar.

Ah, o olhar da minha mãe, desde sempre, corrige, admira a sua cria, fazendo comparações de idades mais jovens, da qual a aceitação ou não da minha parte, pouco importa para ela e sendo mãe, é verdadeira e hoje eu sei , que ela sempre quer o melhor para todos os seus filhos.

Somente no amadurecimento, a carga de entendimento do que é ter uma mãe, avó, bisavó e tataravó desta idade é que se concluem, somente com a maturidade, os valores são interpretados na sua sequência e entendermos estes passos é a melhor escolha que fazemos, passo à passo, sem grandes exigências para com o outro como à nós mesmos…

Cada um é cada um, cada qual com sua vivência e interpretação do ser e seus significados, cabendo à cada integrante da família, resgatar à medida que amadurecemos, com amor e muita serenidade estas reflexões tão úteis para as gerações vindouras.

Creio que neste desenrolar de percepções da maturidade com todo o amor que aplicarmos às gerações que estão chegando, estaremos plantando bons frutos e conexões bem profícuas para quando chegarmos nesta idade.

Salve Mãezinha!!!!!!!!!!!!!

Mili

Percorrendo Caminhos

Percorrendo Caminhos

Percorrendo Caminhos

 

Alegro-me, quando consigo ficar em êxtase, diante às deliciosas fases que já passei e das que supostamente ainda irei percorrer neste tão eloquente trajeto de distrações.

As ilusões se fazem presentes,  à todo momento em que busco, a maior felicidade, alegrias e permissividades.

Os  ciclos jamais se completam, neste cantarolar de idéias, lançadas à todo instante, na desenfreada vontade de vencer obstáculos, com um coração exigente e ofegante que já não percebe os sintomas das ilusões.

Um coração amadurecido, de tão amaciado pelos baques a que se envolveu e lògicamente, proposto , creio eu, por mim mesma, em algum instante qualquer…

Não me levar tão à sério é a minha meta, para prosseguir sem tantas cobranças, nestas exigências que a vida enaltece, e eu, como não sou boba, nem nada, saio da roda que insiste  em inserir-me e maltratar-me, a fim de que permaneça escrava das exigências que tanto tomam o tempo, o lugar e os sonhos…

Não é uma palavra qualquer que me enrubesce, saio fora das jogadas de  tantos tiranos que encontro no percurso e incluo sempre que  possível, as mágicas fora de ilusões, concretizando um querer momentâneo, sabendo que desta não sairei viva.

Mili

 

Acabrunhada

 

Acabrunhada

 

Pelo vasto cabelo que cobre os meus olhos, o  vento continua a me  provocar.

De súbito, balanço a bela cabeleira , entregando  os pontos ao vento que insiste em me espalhar.

Procuro na bolsa,  para ver se encontro, alguma presilha , mas inútil de bolsa, que de tão grande, não serve pra nada, a não ser o grande peso que  em meu  ombro  já começa a pender e me cansar…

E o vento continua,  apressando as minhas costas,  que já não aguentam mais, de tantas espalmadas  e solavancos,  que em questão de segundos, tortura esta breve e ansiosa figura,  que nada entende das  provocações tão naturais…

E meus passos continuam,  apressados, na vontade em querer arrumar os cabelos e andar mais depressa,  a fim de logo chegar.

Mas que nada, o vento continua o seu trajeto, voltando na marcha ré, desviando os meus olhos, às tantas imagens,  que desfilam , enquanto ele me embrutece , estremece e enrijece esse meu caminhar…

O seu assobio  inunda,  os meus ouvidos, forçando  o seu som que só quer me inspirar , e eu , de tão inconformada , não encontro  a dita presilha.

Perdi belas imagens , talvez olhares profundos,  na troca que geram o melhor estar.

Os instantes tão preciosos que perdem-se,  na insignificância de detalhes…

Quando os ventos da mudança sopram no  caminhar, mas,  de tão oprimida, abatida e perdida,  eu nada entendi…

Levantei mil barreiras ao invés de construir ao vento,  a melhor mudança ou talvez um moinho , neste tão simples caminhar…

Mili

 

 

O Relógio Que Canta

O Relógio Que Canta

 

Estou  aqui, com meus questionamentos, quando repentinamente, o relógio começa a tocar os  três cantos do pássaro.

A cada hora que escoa, o pássaro canta e daí o sorriso vem, a lembrança de algo bom começa à compartilhar as minhas lembranças e as expectativas de melhoras começam a surgir.

Como é possível, num simples canto  de pássaro, remeter e também acordar para algo novo e inspirador?

Presente da minha madrinha Maria Wilma, dado com tanto carinho, e ela nem imagina a alegria que é,  à cada hora que se passa, a alegria do canto do pássaro inundar a minha audição com tão suave canto.

Daí, fico a perceber  sobre a lição que este relógio que canta ,trouxe para a minha vida.

Será que podemos ser como o canto desses pássaros do relógio, que trazem a alegria, felicidade e tamanha ternura?

Escrever e detalhar sobre esse meu pensamento é facílimo, quero ver o conseguir  ser essa felicidade, viver e contagiar para que outros possam sentí-la como eu sinto e ainda mais, ser lembrada sendo eu essa felicidade.

Não é nada fácil nestes tempos de tamanha turbulência, onde cada um vive para si, testemunhando que o tempo é curto demais para tais fragilidades.

Então, mais uma vez, os ponteiros batem mais uma hora e o pássaro assobiando novamente, trazendo à tona mais felicidade e a certeza de que não importa o tempo que for, estarei na esperança em ser melhor, ser lembrada apenas pela minhas atitudes no bem e poder contagiar sempre alguém que estiver necessitando de forças para prosseguir.

Sei que não é fácil ser isto tudo, talvez consiga nesta vida, ser apenas uma pontinha deste meu querer, mais já é um bom início para prosseguir como o canto do pássaro me influenciou.

Reflita sobre o seu querer ser e se revestir dessa felicidade, contagiando à todos que encontrar nesta caminhada.

Mili